Quarta-feira, 20 de Abril de 2005
title
publicado por R. às 12:20
link do post | comentar | favorito
title


a malta da outra vez esteve lá. as bolitas piquenas são mesmo azeitonas e aquelas cenas lustradas que parecem pessegos em calda são limões. e há montes de bancas destas nas praças marroquinas e são todas assim.
publicado por R. às 11:52
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Abril de 2005
title
Free Image Hosting at www.ImageShack.us
publicado por R. às 03:40
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Abril de 2005
title


E desta vez, hei-de vir de lá com as mão assim!
publicado por R. às 04:05
link do post | comentar | favorito
title
(não sei se se escreve assim!)


publicado por R. às 03:56
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Abril de 2005
title


talvez este ano nós possamos trazer mais uns bocaditos de areia daqui!
publicado por R. às 03:24
link do post | comentar | favorito
title
Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público
Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado

Chico Buarque
publicado por R. às 03:15
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. homenagem

. VIVA!

. assim são as princesas

. O Tigre e a Neve

. ...

. De volta...

. E, para os que me chateia...

. ...

. Épá, talvez, afinal, a qu...

. Porque nem tudo é belo!

.arquivos

. Maio 2009

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.tags

. todas as tags

blogs SAPO
.subscrever feeds